Nigéria aprova sua primeira cultura alimentar GM

07-02-2019

Após quase uma década de pesquisas, a Nigéria aprovou seu primeiro feijão caupi ou fradinho (cowpea, em inglês) geneticamente modificado resistente a inseto.

A decisão da Agência Nacional de Gestão de Biossegurança (NBMA) para permitir a liberação ambiental de feijão GM confirma a segurança da cultura. Também abre caminho para a comercialização do feijão GM e para tornar as sementes disponíveis para os agricultores.

“O feijão caupi é a leguminosa mais importante da Nigéria”, afirma o professor Ibrahim Abubakar, diretor executivo do Instituto de Pesquisa Agrícola (IAR) da Universidade Ahmadu Bello, em Zaria, que liderou a pesquisa. “O baixo rendimento da safra na Nigéria deve-se a muitas ameaças, particularmente à broca da vagem (Maruca vitrata), que causa até 90% de perda de rendimento em casos de infestação severa.”

O feijão caupí é uma importante fonte de proteína para milhões de nigerianos e habitantes da África Ocidental. Os agricultores costumam aplicar pesticidas seis ou sete vezes no período de plantio, na tentativa de controlar a praga. A variedade GM, resistente ao inseto, diminuirá significativamente a aplicação de inseticidas, segundo os pesquisadores.

Também aumentará os rendimentos em cerca de 20%, ajudando a Nigéria a reduzir sua dependência de importações e a garantir a segurança alimentar. Atualmente o país importa cerca de 500 mil toneladas de feijão caupí anualmente para atender à demanda.

Fonte: Alliance for Science | Cornell