EuropaBio pede mudanças no sistema de regulamentação de culturas editadas geneticamente

05-07-2019

A EuropaBio, Associação Europeia das Bioindústrias, tem sido forte opositora dos esforços da União Europeia (UE) para regular as culturas desenvolvidas por meio de técnicas de edição genética da mesma forma que as culturas geneticamente modificadas (GM), mesmo não havendo inserção de material genético.

A Secretária Geral da EuropaBio, Joanna Dupont-Inglis, afirmou em recente entrevista que os agricultores europeus podem produzir novas culturas com maior rendimento e maior resiliência climática se a legislação for modificada. Ela ainda ressaltou outras posições da organização quanto à política da União Europeia sobre culturas GM e edição do genoma.

A executiva afirmou que rejeita a decisão do Tribunal de Justiça Europeu em julho de 2018, decisão que pode interromper a inovação nas ciências da vida na Europa. Segundo ela, a comunidade científica da Europa, que é líder mundial, também está pedindo mudanças.

Ela acrescentou que o sistema de aprovação da UE já impediu os agricultores de acessar produtos que foram usados ​​com segurança por décadas em outras partes do globo. Segundo ela, o sistema existente para os OGM na UE poderia e deveria funcionar muito mais suavemente, mesmo no âmbito da Diretiva existente.

“Qualquer produto classificado como OGM tem pouca chance de ganhar acesso ao mercado na UE. A EuropaBio acredita firmemente que, a fim de promover os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU até 2030, é essencial uma abordagem científica, proporcional e adequada das tecnologias modernas, como a biotecnologia.

Joanna Dupont-Inglis enfatiza possíveis aplicações promissoras da edição do genoma no desenvolvimento de frutas e legumes resistentes a pragas e doenças, produtos com menor potencial alergênico, óleos de soja mais saudáveis ​​que reduzem gorduras trans, cereais que usam a água mais eficientemente, culturas com melhor rendimento e que podem reduzir o desperdício.

“Vale a pena notar que a edição do genoma também tem muitas aplicações promissoras em outros campos, incluindo o desenvolvimento e a produção de tratamentos médicos e agentes de diagnóstico que podem melhorar e salvar milhões de vidas; e produtos químicos e produtos biológicos que diminuem a dependência do carbono fóssil.”

Fontes: ISAAA e IEGVU